publicado por adm | Domingo, 06 Abril , 2014, 16:17

Uma equipa da Universidade de Aveiro, liderada por Isabel Duarte, desenvolveu uma metodologia experimental de produção de tubos preenchidos com espuma de alumínio que, segundo a Universidade, pode vir "a revolucionar" a indústria automóvel.

A espuma metálica, que já está a ser incorporada em alguns automóveis de topo de gama na Alemanha, é um material resistente, relativamente ao seu peso e que absorve bem a energia de impacto, com reflexos na segurança dos ocupantes em caso de acidente. É também leve, o que potencia baixos consumos de combustível, e é poroso, amortecendo com isso ruídos e vibrações.

A equipa de investigação de Isabel Duarte, do Departamento de Engenharia Mecânica (DEM), desenvolveu uma metodologia experimental que garante a produção de tubos de alumínio preenchidos com espuma de alumínio, cujo preenchimento é feito durante a etapa de formação da própria espuma.

"A dificuldade que tivemos de ultrapassar foi garantir que o tubo mantivesse a sua integridade estrutural, que não fundisse durante a formação da espuma no seu interior e que houvesse o preenchimento total deste, uma vez que este processo ocorre a temperaturas próximas da temperatura de fusão do alumínio do tubo e da espuma", desvenda a cientista.

Os primeiros resultados alcançados na Universidade de Aveiro "são bastante promissores, já que o processo garante uma ligação forte entre a espuma e as paredes internas do tubo exterior que se reflete no seu comportamento mecânico".

As novas estruturas, fabricadas no Departamento de Engenharia Mecânica, têm no núcleo em espuma de alumínio o papel de proporcionar uma elevada taxa de absorção de energia por unidade de peso, enquanto os tubos contribuem para a rigidez e a resistência mecânica do conjunto.

"Têm apresentado um bom desempenho mecânico, mais fiável e previsível, comparativamente com outras estruturas semelhantes", diz Isabel Duarte, explicando que "a metodologia permite preencher estruturas metálicas ocas com espuma sem recorrer às técnicas secundárias como colagem e soldadura geralmente usadas, reduzindo assim uma etapa na produção de um componente automóvel".

A investigação do DEM está a ser realizada com o apoio da empresa nacional MJAmaral e em parceria com grupos de investigação da Universidade Técnica de Berlim (Alemanha), da Universidade de Maribor (Eslovénia) e da Universidade de Split (Croácia).

 

fonte:http://www.dn.pt/in


publicado por adm | Sexta-feira, 06 Setembro , 2013, 00:13

Um edifício em Londres é acusado de ter derretido partes de carros estacionados perto dele. Conhecido simplesmente pelo seu endereço - 20 Fenchurch Street - o edifício é um arranha-céus situado no coração da City, a zona financeira. Revestido de um alumínio especial e com uma curvatura distintiva, parece que reflecte os raios do sol aumentando-lhes a intensidade seis vezes.

O dono de um automóvel diz que se aproximou do mesmo e começou a sentir cheiro a pneus queimados. Quando foi ver, não eram só os pneus. Também o plástico das janelas, e as próprias garrafas dentro do carro, pareciam que tinham sido cozidas. Não é coisa que se faça a um Jaguar.

Os responsáveis já indemnizaram pelo menos uma pessoa, e provavelmente mais. Dizem que estão atentos às preocupações. Mas recusam interromper a construção. Não se interrompe assim um edifício de 34 andares e 200 milhões de libras. Para já, a principal medida preventiva foi retirar os três parques de estacionamento que se encontravam à volta. 



fontes: http://expresso.sapo.pt/


publicado por adm | Segunda-feira, 20 Maio , 2013, 21:53

A produção média diária de alumínio primário caiu para 67.900 toneladas em abril, ante um número revisado de 68.500 toneladas em março, mostraram nesta segunda-feira dados do Instituto Internacional de Alumínio (IAI, na sigla em inglês).

A produção global total em abril foi de 2,038 milhões de toneladas, ante um total revisado de 2,122 milhões de toneladas em março.

Na China, a produção média diária subiu para 56.900 toneladas em abril, de 55.900 um mês antes. A produção em abril foi de 1,707 milhão de toneladas, um recuo sobre 1,734 milhão de toneladas em março.

fonte:http://economia.uol.com.br/


publicado por adm | Domingo, 28 Abril , 2013, 00:20

Afiar tesouras, limpar panelas, acabar com as goteiras... Selecionamos dez utilidades que o papel alumínio pode ter em sua casa

 

1 Afie tesoura e faca. Sabe aquela tesoura cega que você já deu como perdida ou esqueceu no fundo da gaveta? Recupere-a usando papel alumínio! É simples: pegue esse papel, amasse-o e corte-o com a tesoura cega. Faça esse processo 10 vezes seguidas. Depois de um tempo, você até irá precisar tomar cuidado para não se cortar (porque a tesoura vai estar superafiada!).

2 Economize energia na hora de passar roupa. Você se cansa passando roupas? Na próxima vez, cubra a mesa de passar roupa com papel alumínio, deixando a parte brilhante do papel para cima. Por cima do papel, coloque uma cobertura: pode ser um lençol, por exemplo. Aí basta passar: o legal é que o alumínio irá refletir o calor e você só precisará passar a roupa de um lado (porque o outro já estará lisinho).

3 Deixe brilhando aquela panela suja. Tire sujeiras difíceis, esfregando pedaços de papel alumínio nas panelas.

4 O papel alumínio também é um amigo da dona de casa para evitar a sujeira. Quer uma dica? Forre o fogão com ele e, quando fizer uma fritura, por exemplo, será muito mais fácil limpá-lo (ou simplesmente substituir o papel).

5 Acabe com o mau-cheiro da geladeira. Sabe quando a geladeira fica com aquele cheiro desagradável de alho? Basta cobri-lo (ou outros alimentos) com filme plástico e, em seguida, com papel alumínio. Além de evitar o cheiro, o processo mantém a umidade do alimento.

6 Por falar em embrulhar alimentos, talvez você tenha uma dúvida muito comum: qual lado do papel alumínio deve ficar em contato com o alimento que irá ser assado? O melhor é o brilhante, que é o mais liso e evita que a carne grude no papel.

7 Frutas embrulhadas são conservadas por mais tempo fora da geladeira. Então, cortou uma maçã e não quer deixá-la na geladeira? Embrulhe-a com papel alumínio e ela será conservada por mais tempo.

8 Use o alumínio para confeitar. Com o papel, faça um cone multiuso. Moldável e impermeável, ele não irá sujar suas mãos e irá quebra o galho na hora de preparar doces, por exemplo.

9 Aposente o veda-rosca. Se a porca ou o parafuso não estiverem encaixando durante uma construção, enrole-os com papel alumínio. Esse papel fará a pressão exigida para que ele fique preso.

10 Acabe com as goteiras. A dica é simples: use o papel alumínio para cobrir forros com goteira. Como ele é impermeável, nenhuma água irá invadir lugares indesejados.

fonte:http://casa.abril.com.br/m


publicado por adm | Terça-feira, 14 Agosto , 2012, 23:05

A produção  de alumínio primário referente a julho somou 120,4 mil toneladas, o que corresponde a um aumento de 0,3% ante o mesmo período do ano anterior, divulgou a Associação Brasileira do Alumínio (Abal).

Em julho do ano passado foram produzidas 120 mil toneladas. No acumulado de 2012, foram produzidas 847,7 mil toneladas, avanço de 2,2% no comparativo anual.

A Albras manteve-se em destaque, com produção de 37,5 mil toneladas em julho, recuo de 3,6% ante 2011. No período de janeiro a julho, a produção soma 263,3 mil toneladas, 1,5% a menos que no ano anterior. 



fonte:http://www.ultimoinstante.com.br/


publicado por adm | Domingo, 22 Julho , 2012, 10:51

O processo de anodização tem a propriedade de criar de forma controlada uma camada de óxido de alumínio transparente sobre a superfície do alumínio, permitindo a visualização de qualquer efeito ou acabamento realizado, como pré-tratamento mecânico ou químico, antes da aplicação do processo de anodização.

Antes de sofrer o tratamento de superfície, o alumínio e suas ligas podem ser submetidos a diversos Tratamentos Mecânicos com a finalidade de melhorar seu aspecto superficial pela eliminação de eventuais defeitos e/ou criação de novos efeitos decorativos, elencados a seguir:

Tratamentos Mecânicos

Jateamento

Produz uma textura fosca acetinada sobre a superfície do alumínio, utilizando partículas abrasivas lançadas com grande energia cinética, eliminando praticamente todos os tipos de imperfeições nos produtos extrudados, como faixas, marcas de manuseio, atritos, etc.

Escovamento

Elimina praticamente todos os tipos de imperfeições na superfície do alumínio, como riscos, sulcos, etc., pela aplicação de pequenos riscos paralelos aplicados por escovas rotativas de cerdas metálicas ou orgânicas, na superfície do metal, proporcionando um leve brilho de menor refletividade do que as peças polidas.

Lixamento

Esse acabamento mecânico tem a capacidade de produzir um efeito visual diferenciado ao eliminar imperfeições, tais como, sulcos, marcas de manuseio e estrias na superfície do alumínio, sendo realizado pela aplicação de abrasivos colados sobre rodas de lona ou papel.

Polimento

Realizado com rodas de pano ou flanela, produz na superfície do alumínio um brilho especular pela aplicação de abrasivos adequados. A etapa do processo em que se prepara a superfície a ser anodizada, do alumínio e suas ligas, pode ser submetido a diversos Tratamentos Químicos com a finalidade de melhorar seu aspecto superficial pela eliminação de eventuais defeitos e/ou criação de novos efeitos decorativos.

Tratamentos Químicos

Fosco Acetinado/Aveludado

Processo químico alcalino baseado em soda cáustica com aditivos niveladores e inibidores de ataque, utilizado para tornar opaca a superfície do alumínio conferindo um acabamento uniforme fosco acetinado e aveludado.

 

Abrilhantamento Químico

Processo químico baseado em uma mistura dos ácidos fosfórico, sulfúrico, nítrico e aditivos niveladores de ataque, com a capacidade de tornar a superfície do alumínio lisa e brilhante, utilizando a diferença de potencial entre o metal aço inox, usado para a construção do tanque, e o alumínio que produzem correntes galvânicas que realizam o brilho
especular sobre a superfície do alumínio.

Polimento Eletroquímico

Processo eletroquímico baseado em uma mistura de ácido fosfórico, crômico e sulfúrico. O mecanismo do polimento eletroquímico é análogo ao do abrilhantamento químico, utilizando corrente elétrica contínua para tornar a superfície do alumínio brilhante.

Anodização Brilhante –Bens de Consumo

Anodização resultante da ação combinada de um tratamento mecânico e/ou químico sobre a superfície do alumínio, aumentando a sua refletividade. Esse tipo de acabamento é muito usado em frisos, molduras, eletrodomésticos, elementos decorativos realçando a beleza decorativa do alumínio.

Anodização Fosca – Acetinada

Anodização resultante da ação controlada de um tratamento mecânico e/ou químico agressivo sobre a superfície do alumínio, diminuindo sua refletividade, tornando a peça de alumínio opaca. Esse tipo de acabamento é muito utilizado em vitrines, painéis, móveis residenciais de alto padrão, valorizando a beleza do efeito decorativo e transmitindo
a idéia de modernidade desse acabamento.

Anodização para fins Arquitetônicos

Anodização resultante de um tratamento químico agressivo sobre a superfície do alumínio, onde a aparência e o aspecto visual são valorizados, porém prevalece às características protetoras contra a corrosão e o desgaste. Esse tipo de acabamento é muito utilizado na construção civil na forma de fachadas, janelas, portas, gradis, etc.

 

aluminio-acabamentos07

 

Anodização para fins Técnicos (dura)

Anodização realizada sob condições de processos especiais, para produzir uma película espessa e dura de óxido de alumínio, que ofereça alta resistência à abrasão e à corrosão. Esse tipo de acabamento é muito utilizado pelas indústrias aeronáutica, automobilística e de autopeças.

Anodização Colorida Eletrolítica

Processo de coloração da camada anódica, (anodização), realizada em uma solução eletrolítica de sais metálicos, normalmente se utiliza estanho metálico, depositado no fundo dos poros pelo uso de corrente alternada. Esse tipo de acabamento é muito utilizado em todos os segmentos industriais, como eletrodomésticos, bens de consumo e principalmente na construção civil em janelas, portas, gradis, boxes de banheiro, etc.

Anodização Colorida por Corante (anilinas)

Processo de coloração da camada anódica, (anodização) realizada por simples imersão de peças anodizadas em solução contendo corantes orgânicos (anilinas) ou inorgânicas (sais de metais, ex. cobalto). A camada anódica tem a sua estrutura molecular similar à estrutura do tecido algodão, permitindo em função dessa característica absorver o corante. Com este tipo de acabamento é possível se atingir toda a gama de cores, porém a sua aplicação está restrita ao uso interno, sendo muito utilizado em elementos decorativos, molduras de quadros, tampas de perfumes, etc.

Pintura Eletrostática - (Revestimento Orgânico)

Processo de pintura eletrostática consiste na aplicação de filmes orgânicos sobre a superfície do metal previamente tratado, o qual permite a aderência da tinta sobre o alumínio, através do método eletrostático, com a finalidade de conferir a superfície do alumínio um acabamento uniforme, realçando as características protetoras e decorativas. Podem ser aplicadas tintas pó, tintas líquidas, tintas à base de resina poliéster, epóxi, acrílicas, etc, sendo esse tipo de acabamento muito utilizado na construção civil em portas, janelas, gradis, etc.

Coil Coating -(Revestimento Orgânico)

Processo contínuo de pintura de bobinas e chapas de alumínio caracterizado pela aplicação de filmes orgânicos sobre a superfície do metal previamente tratado, o qual permite a aderência da tinta sobre o alumínio, através do sistema “Coil Coating”, com a finalidade de conferir a superfície da bobina e da chapa de alumínio um acabamento uniforme
realçando as características protetoras e decorativas. Esse sistema de acabamento permite o uso de tinta líquida, tintas a base de resina poliéster, epóxi, acrílicas, etc, sendo esse tipo de acabamento muito utilizado na construção civil como chapas para revestimentos de fachadas, coberturas, telhas, calhas, etc.

Autor:

Eng. Adeval Antônio Meneghesso - Diretor superintendente da Italtecno do Brasil

Fonte:http://www.metalica.com.br/


publicado por adm | Quinta-feira, 21 Junho , 2012, 00:08

A produção de alumínio mundial subiu quase 3% em maio em relação a abril, para 2,104 milhões de toneladas, de 2,043 milhões de toneladas no mês anterior, nos números divulgados nesta quarta-feira pelo Instituto Internacional de Alumínio (IAI, em inglês). Em relação a 2011, a produção recuou aproximadamente 3% em maio deste ano, na comparação ao volume de 2,168 milhões de toneladas registrado em maio do ano passado, segundo o IAI.

 

O comunicado publicado no site do instituto na internet informa que a produção da América do Sul (Argentina, Brazil, Venezuela) ficou estável em 173 mil toneladas em maio ante abril, e caiu 6,50% em relação às 185 mil toneladas produzidas no mesmo período de 2011. A produção da Ásia subiu 1,90% em maio, para 215 mil toneladas, de 211 mil toneladas em abril, e ficou estável em relação a maio de 2011.

 

Na América do Norte, a produção subiu 4% em maio, para 410 mil toneladas, de 394 mil toneladas em abril, mas caiu 2,85% ante as 422 mil toneladas produzidas no mesmo período do ano passado. A produção na Europa Ocidental subiu cerca de 50% em maio, para 309 mil toneladas, de 207 mil toneladas em abril, mas recuou 11% em relação ao volume de 348 mil toneladas em maio de 2011.

fonte:http://www.istoedinheiro.com.br/


publicado por adm | Sábado, 16 Junho , 2012, 23:46

A produção de alumínio primário no Brasil cresceu 2,9% no acumulado entre janeiro e maio na comparação com iguais meses do ano passado, para um total de 609,5 mil toneladas, informou nesta sexta-feira, 15, a Associação Brasileira do Alumínio (Abal).

Em maio foram produzidas 123,4 mil toneladas do insumo, volume 3,4% maior que o registrado em idêntico mês de 2011. 

No período acumulado, a maior produtora de alumínio primário foi a Votorantin Metais (CBA), de São Paulo, com 190,1 mil toneladas, 15,6% acima do volume produzido um ano antes. A Albras, no Pará, encerrou o período com 189,8 mil toneladas, leve retração de 0,4%, e a Alcoa, com fontes em Poços de Caldas (MG) e São Luis (MA), com 141,1 mil toneladas, queda de 2,4% na mesma base de comparação.

fonte:http://www.automotivebusiness.com.br/


publicado por adm | Sábado, 24 Setembro , 2011, 19:17

A gigante do alumínio do magnata Oleg Deripaska, Rusal, está conduzindo negociações com a Iranian Mines and Mining Industries Development and Renovation Organization para a construção de uma fábrica de alumínio no Irã com capacidade de 375 mil toneladas. A fábrica teria condições de produzir 9% de toda a produção atual de alumínio da empresa.

A informação foi divulgada na quinta-feira, 22, pelo jornal russo “Kommersant”, que teve acesso ao protocolo da Comissão de Cooperação Comercial e Econômica Rússia-Irã, que se reuniu em 10 e 11 de setembro deste ano. Os representantes da Rusal disseram aos jornalistas que a companhia está interessada na diversificação geográfica da produção, e o Irã seria uma possibilidade.

Rusal negou negociações concretas com governo iraniano. Fontes do jornal, entretanto, afirmam que as negociações estão sendo conduzidas há anos. A empresa, segundo o “Kommersant”, estaria evitando publicidade sobre a transação, em função das sanções internacionais que poderiam ser aplicadas no caso de uma parceria com o Irã.

fonte:http://www.diariodarussia.com.br/


publicado por adm | Segunda-feira, 19 Setembro , 2011, 22:59

O alumínio é o metal mais reciclado no mundo.

Mas, como acontece no mercado de automóveis, "alumínio usado" não é a mesma coisa que "alumínio zero km".

Liga indesejável

A reciclagem de alumínio consome apenas 5% da energia utilizada na produção do alumínio novo.

No entanto, cada vez que o alumínio é reciclado, vários elementos, como ferro, silício e zinco, bem como elementos-traço, como sódio e chumbo, juntam-se ao metal, produzindo uma espécie de "liga indesejável".

Até agora isso tem colocado limitações claras aos usos do alumínio reciclado, devido às alterações nas propriedades do metal reciclado em comparação com o metal novo.

A indústria vem dando um "jeitinho" diluindo o alumínio reciclado no alumínio novo, de forma a diminuir a concentração dos elementos indesejáveis até que eles atinjam níveis aceitáveis.

Solução nobre

Mas Yanjun Li e seus colegas do Instituto Sintef, na Noruega, acreditam que uma solução bem mais nobre pode ser obtida com a ajuda da matemática.

O alumínio reciclado hoje acaba sendo direcionado para a fundição. Mas os produtos mais nobres são feitos por laminação ou extrusão, que exigem um material mais puro e com propriedades homogêneas.

Na extrusão, por exemplo, um bloco sólido de alumínio é prensado por uma gigantesca prensa contra um molde de aço que contém os furos no formato exato da peça desejada - o alumínio deve fluir perfeitamente para não gerar peças defeituosas.

"As impurezas que se acumulam no alumínio pelos repetidos ciclos de reciclagem afetam as propriedades mecânicas do material reciclado. No entanto, mudando a composição da liga, as condições de temperatura e a velocidade do processo de homogeneização - o estágio inicial em um processo de têmpera realizado antes da laminação e da extrusão - é possível compensar isso," diz Yanjun.

Nobreza matemática

Se parece fácil, não é. Tentar encontrar a receita correta com tantos ingredientes a serem variados é praticamente impossível na base da tentativa e erro.

É aí que entra a matemática. Os cientistas estão desenvolvendo modelos matemáticos e testando-os em experimentos de laboratório. "Os resultados iniciais são animadores," diz Yanjun.

O objetivo final é desenvolver três modelos diferentes, que vão mostrar como a microestrutura do alumínio reciclado é afetada por várias modificações na homogeneização durante os processos de extrusão e laminação.

Modelo de reciclagem

"Nós demonstramos que a ponto de escoamento das ligas pode ser aumentado em 50% modificando-se o processo de homogeneização. Em linguagem simples, isto significa que o material poderá ser dobrado muito mais antes de quebrar," afirma o pesquisador.

Segundo ele, o uso dos modelos matemáticos permitirá o uso do alumínio reciclado em virtualmente qualquer aplicação.

O que é uma boa notícia, uma vez que o aumento da reciclagem do alumínio está produzindo mais matéria-prima do que o setor de fundição consegue absorver.

fonte:http://www.inovacaotecnologica.com.br


pesquisar neste blog
 
links
subscrever feeds