publicado por adm | Domingo, 28 Novembro , 2010, 23:27

O mercado brasileiro de produtos metalúrgicos está sendo invadido pela China, que importa a matéria prima, minério de ferro, bauxita, e exporta bens industrializados. Os números assustam e deveriam preocupar o governo.

 

Não é novidade? É sim. Antes, as empresas chinesas, quase todas estatais, agiam com discrição, temendo reações. Como não surgiram, continuamos aceitando tudo, estão chegando com força total - ainda sob o olhar complacente do governo.

Mas importamos porque eles produzem mais barato! Não é bem assim. Eles têm custos menores porque subsidiam fortemente a produção - impostos, juros, protecionismo cambial, financiamentos às exportações - enquanto aqui se faz exatamente o oposto. Em uma frase, eles exportam subsídios e, nós, impostos.

É um processo de desindustrialização? A coluna já abriu espaço para a Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica, para a qual há desindustrialização, sim. O debate ganhou força com um documento interno do Ministério do Desenvolvimento, concordando. É um problema grave porque afeta toda indústria de metais, da siderúrgica ao alumínio.

A FGV realizou estudo sobre um caso especial, o alumínio, e apresentou conclusões impressionantes. Entre 2009 e 2010, as exportações chinesas para o Brasil de produtos industrializados de alumínio aumentaram, e muito. Este ano, 140% até outubro, sobre o mesmo período de 2009. Isso é mais grave porque também ocorre nos produtos siderúrgicos.

O estudo já foi encaminhado para o governo pela Associação Brasileira do Alumínio (Abal). Seu presidente, Adjarma Azevedo, afirma que não se trata de setores isolados, mas de toda a cadeia produtiva do setor.

Ela inclui alumina (óxido de alumínio), alumínio primário, transformado - como folhas e chapas. É neste último que a China vem avançando velozmente, afirma Azevedo. As importações dobraram em dez meses, até outubro. Um aumento de 103%.

Mas a produção brasileira de bauxita e outros minérios, como ferro, vem aumentando, argumenta a coluna.

De exportador para importador? Sim, responde Azevedo, mas a importação dos demais produtos derivados, como o alumínio aumenta proporcionalmente muito mais. "A FGV e a Abal estimam que, em 2012, em apenas dois anos, portanto, o Brasil passa de exportador para importador de alumínio. É isso o que o estudo da FGV confirma. E nos inquieta. Já levamos o assunto ao governo."

O Brasil é o terceiro produtor mundial de bauxita e alumina e é um grande exportador, mas, vemos perder terreno no mercado mundial na medida em que minério vai se transformando em produtos industrializados, diz ele.

E dá um exemplo. O Brasil continua avançando muito na produção do minério de alumínio, bauxita. Em 2000, ele representava 10% da produção mundial e, no ano passado, pulou para 13%. Ganhou espaço. A produção de alumina, o primeiro processo proveniente da bauxita refinada, passou de 7% para 10%, no período. Mas quando chegamos aos produtos acabados, finais, a participação brasileira manteve-se em apenas 2% do mercado mundial.

"Passamos a exportar mais minério e a importar mais produtos acabados, criando empregos no exterior, não no Brasil."

O estudo da FGV também aponta como causa dessa perda de competitividade para a China a carga tributária, juros, câmbio e principalmente o alto custo da energia

No Brasil, os impostos representam 35,8% do PIB enquanto que na China é 23%, nos Estados Unidos 31,7%, no Japão 31% e na Coreia do Sul, 30,9%. Mas o peso principal é o custo da energia. No Brasil, ele é em média 140% maior que nos na África, Austrália, Oriente Médio.

"De acordo com a Aneel, as tarifas industriais de energia aumentaram 189% entre 2001 e 2009 enquanto a inflação medida (IGP-M), foi de 87% no período. Em seis anos, o custo médio de energia aumentou 129%" , diz a FGV.

Os EUA, o Canadá, a União Europeia, a Índia e a Austrália, que sofrem a mesma concorrência, já estão aplicando medidas de defesa.

"É urgente que o governo brasileiro adote medidas de defesa comercial, antes que a desestruturação da indústria se torne irreversível", alerta Azevedo.

fonte:estadao


pesquisar neste blog
 
posts recentes
links
subscrever feeds